Utilizamos cookies próprios e de terceiros para disponibilizar os nossos serviços e recolher informação estatística. Se continuar a navegar no Site, aceita a sua instalação e a sua utilização. Pode alterar a configuração ou obter mais informação sobre a nossa política de cookies.

Áreas
Menu
pt

Microbiologia

As patologias cutâneas podem apresentar complicações bacterianas e/ou fúngicas. Uma identificação microbiológica é vital para a boa resolução da doença dermatológica inicial.

Cultura Microbiológica

A partir das amostras recebidas será seguido um protocolo específico para identificar o microrganismo:

  • Observação direta da amostra: Com o objetivo de avaliar a presença e abundância de microrganismos na amostra, é realizada de forma rotineira uma citologia das zaragatoas recebidas.
  • Cultura da amostra em meios de cultura específicos: Ágar sangue, MacConkey, Sabouraud, meio específico para Pseudomonas. Caso sejam observados cocos na citologia, incorporar Met R-Agar (meio específico para a deteção de Staphylococcus resistentes a meticilina - MRSP).
  • Identificação do género e espécie do microrganismo presente na amostra a partir das colónias isoladas.

Antibiograma

  • Antibiogramas adaptados: os antibióticos são selecionados em função do tipo de amostra recebida e do microrganismo isolado.
  • Antibiogramas dinâmicos: os antibióticos vão sendo modificados em função do grau de resistência que os microrganismos apresentem.
  • Efeitos de inibição: incluímos nos relatórios a medição dos efeitos de inibição de cada antibiótico e os seus intervalos de normalidade, para uma melhor seleção do tratamento a instaurar.
  • Antibiograma específico para MRSP

Interpretação clínica

A partir da medição dos efeitos de inibição de cada antibiótico, são recomendados os fármacos mais adequados para cada bactéria, em função da sua utilidade clínica e da sua disponibilidade no mercado.


Cultura dermatófitos

A partir das amostras recebidas (pêlos, descamação e unhas) será seguido um protocolo específico:

É enviado um primeiro relatório após 7 dias e a amostra permanece na estufa de incubação mais 3 semanas para a deteção de crescimentos tardios.

Caso ocorra esta identificação tardia, será realizado um novo relatório.